Vivo inaugura usinas fotovoltaicas em Lagarto e Itabaiana

A Vivo inaugura esta semana, em parceria com o Grupo Gera, duas usinas solares no modelo de geração distribuída, nos municípios de Lagarto e Itabaiana. Juntas, elas irão produzir 860 MWh/ano e abastecer 280 unidades consumidoras da empresa na região. A iniciativa faz parte do projeto da Vivo para implantar 85 usinas de fontes solar, hídrica e de biogás, em todo o Brasil, sendo que delas 33 já estão em operação. Para o Nordeste, estão previstas 13 usinas, sete delas já em funcionamento, considerando os novos lançamentos.

A usina de Itabaiana está instalada na Rodovia 235, em Sítio Vermelho,  e a de Lagarto, na Rodovia SE-270, próximo ao povoado de Boieiro. Considerando as etapas de construção e de operação, produzem, juntas, 141 empregos. No modelo de geração distribuída, a energia produzida nas usinas é injetada na rede da concessionária local, neste caso, a Energisa, e se transforma em créditos para o uso da empresa consumidora. 

Além de contribuir com o meio ambiente por ser renovável e de baixo impacto, a geração distribuída contribui para aliviar o sistema de distribuição e reduz custos, ineficiências e perdas na transmissão. Benefícios para as pessoas, para as empresas e para o planeta, pois a energia renovável também contribui para a redução das emissões de CO2 e ajuda a conter o aquecimento global, que gera mudanças climáticas e desequilíbrio ambiental.

Energia Renovável

Presente na vida de milhões de brasileiros, com mais de 112 milhões de acessos nos serviços fixo e móvel em todo país, a Vivo também é uma importante consumidora de energia. Seu consumo já é 100% renovável, desde novembro de 2018, e provém de geração distribuída, do Mercado Livre de energia e da aquisição de certificados de produção renovável , os I-RECs (International Renewable Energy Certificates), neste caso, de fonte eólica. 

A expansão de GD para todo o Brasil marca o compromisso da empresa com o desenvolvimento sustentável e contribui para mudar a matriz energética, uma vez que as usinas em GD serão 61% de fonte solar, 30% de fonte hídrica (pequenas hidrelétricas), e 9% de biogás. Em sua totalidade, irão produzir mais de 711 mil MWh/ano, energia suficiente para abastecer uma cidade com até 320 mil habitantes.

A Vivo também atua de modo intensivo em iniciativas de eficiência energética para redução de consumo. Seus programas de eficiência energética resultaram em 62,38 GWh de economia só em 2021. Signatária de acordos e instituições que promovem o consumo limpo e consciente de energia, como o RE100 (companhias comprometidas a atingir 100% de energia renovável no seu consumo para operações), a empresa tem olhar voltado para o futuro. Segue o  desafio ambiental do grupo Telefônica de reduzir em 90% o consumo de energia por unidade de tráfego até 2025, na comparação com 2015 e permanecer com 100% de eletricidade gerada a partir de fontes renováveis.

Comunicação Corporativa Vivo

Aço Paris

Deixe um comentário