Reunião no Ministério Público Federal discute situação crítica do Hospital Universitário de Lagarto

A situação caótica em que se encontra o Hospital Universitário de Lagarto (HUL), em Sergipe, foi tema de reunião que ocorreu na última terça-feira (19), no Ministério Público Federal (MPF). Na ocasião, a procuradora da República Aldirla Albuquerque ouviu os relatos dos representantes do HUL, do Conselho Regional de Enfermagem em Sergipe (Coren/SE) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de Sergipe (Cremese).

O encontro se deu após inspeção do MPF no HUL, que ocorreu na quinta-feira, 14 de julho. Na diligência, a procuradora da República Aldirla Albuquerque confirmou as informações que já havia recebido de denúncias da população. “O Hospital está superlotado. Há muitos leitos improvisados, com diversos pacientes nos corredores, inclusive na ala amarela, que é para onde são levados os casos graves”, relatou a procuradora. “Faltam clínicos gerais e anestesistas, o que é inconcebível e prejudica as cirurgias de emergência”, observou Aldirla Albuquerque.

Falta de pessoal

Para o superintendente do HUL, Manoel Luiz de Cerqueira, as dificuldades atualmente enfrentadas na unidade de saúde tem relação direta com o número insuficiente de profissionais para o devido atendimento à população. Ele disse que diante da ausência de orçamento para a liberação de vagas pela Ebserh, buscou apoio da Secretaria das Estatais do governo federal e da Secretaria de Estado da Saúde de Sergipe, mas não obteve êxito.

O presidente da Cremese, Jilvan Pinto Monteiro, afirmou ao MPF que a situação do Hospital é insustentável e por isso, em até 60 dias, a Cremese vai promover a interdição das áreas críticas do Hospital que necessitam de profissionais. O presidente do COREN/SE, Conrado Marques Souza Neto, disse ao MPF que o Conselho também poderá promover a interdição do exercício da enfermagem em algumas áreas do HUL, devido à falta de profissionais.

Para o MPF, é preciso o preenchimento imediato das vagas em aberto no HUL e da atuação imediata do Estado de Sergipe para promover as ações atinentes às suas responsabilidades. “Agendamos para o dia 25 de julho reunião para dar continuidade ao tema, desta vez com a presença da Secretária Estadual de Saúde, visto que o Hospital Universitário de Lagarto faz parte da rede de atendimentos de urgência e emergência do Estado de Sergipe”, explicou a procuradora Aldirla Albuquerque.

Participantes

Também participaram da reunião no MPF a gerente de atenção à saúde do HUL, Camila Danielle Doria de Santana; gerente administrativa do HUL, Gislane Ladeia Boa Sorte Borges; a chefe da Divisão Médica do HUL, Evelyn de Oliveira Machado, o advogado do Coren/SE, André Kazukas Rodrigues Pereira e a advogada do Cremese, Cláudia Barbosa Guimarães.

Inquéritos

A diligência ao HUL, as reuniões realizadas e agendadas fazem parte de inquéritos extrajudiciais em curso na Procuradoria da República no Município de Lagarto. Se as tratativas extrajudiciais não forem suficientes para solucionar a questão, o MPF deve adotar medidas judiciais cabíveis.

Fonte: MPF/SE

Posição HUL-UFS
Iniciativas internas têm sido discutidas e encaminhadas envolvendo gestores da unidade hospitalar e da Ebserh/sede diante do aumento da demanda por acolhimento e assistência, e também por conta do crescimento do hospital em termos de prestação de serviços como tomografia computadorizada, endoscopia, colonoscopia, além de consultas com médicos especialistas que atendem no Ambulatório de Especialidades do HUL, o que torna o hospital referência para a região de saúde de Lagarto, que envolve uma população de mais de 250 mil habitantes.

Uma das iniciativas em curso foram os cargos já disponibilizados para o HUL através do processo adotado pela Ebserh de unificação das vagas existentes nas unidades que fazem parte da sua rede de hospitais universitários. Nesse sentido, já foram aprovados e liberados 38 novos cargos para o HU de Lagarto, entre profissionais médicos e assistenciais, sendo nove para médico Clínico, dois para médico Cirurgião, dois para médico Pediatra, oito para Enfermeiro, 13 para Técnico de Enfermagem, dois para Biomédico, e dois para Fisioterapeuta.

Ainda como parte das iniciativas envolvendo o HUL e a Ebserh, o hospital já está em fase de convocação e também de contratação de novos profissionais médicos através de Processo Seletivo Simplificado (PSS) para preenchimento de vagas de médicos clínicos, anestesiologistas e cirurgião de mão, que a unidade não conseguiu repor através do concurso nacional realizado pela Ebserh, devido a não adesão dos profissionais, em sua grande maioria com atuação em outros estados da federação. Como o PSS não contou com adesão de médico anestesiologista, o HUL está discutindo a possibilidade de terceirização desse serviço.

Outra frente de iniciativa é o redimensionamento do quadro funcional do hospital diante do crescimento da unidade hospitalar. Daí que essas iniciativas e necessidades têm sido compartilhadas com o Ministério Público Federal, com as entidades representativas das categorias funcionais CREMESE e COREN; e também com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e Secretaria Municipal de Saúde de Lagarto.

Profissionais médicos e assistenciais

Lembrando que o Hospital Universitário de Lagarto conta atualmente com 148 médicos efetivos, dentre os quais 32 clínicos e 12 anestesiologistas. Como também, com 98 enfermeiros e 239 técnicos de enfermagem.

Destacar ainda que o HUL, como unidade hospitalar de Urgência e Emergência, é parte da Rede de Atenção à Saúde de Sergipe, sendo fundamental também a oferta de serviços de saúde locais através da atenção primária, como UPAs, UBS e demais estruturas de atendimento básico que possam ser disponibilizados.

Como hospital de referência para a região de saúde de Lagarto, ao longo dos primeiros seis meses de 2022, o Hospital Universitário de Lagarto realizou 11.419 atendimentos de pronto-socorro e proporcionou 2.051 internações. No mesmo período, a unidade hospitalar realizou 443 cirurgias de emergência, entre gerais e ortopédicas.

Aço Paris

Deixe um comentário